Amar-me a mim, é tão difícil (Dó, Ré-)
Amar-me a mim, é impossível (Dó, Mi-)

Pois só eu conheço (Fá, Mi-)
A minha escuridão (Fá)
Pois só eu me lembro (Fá, Mi-)
A quem não dei a mão (Fá)

Eu usei, matei
Depois de tratar mal
E o meu egoísmo
Deixei num pedestal

Eu sou todo um embaraço
Só preciso de um abraço

Que me abrace inteiro
Sem nada excuir
E palavras duras
Me possa repetir

Ver em mim o monstro
Ferido a sangrar
E que assim mesmo
Consiga me amar

Tantas vezes que eu tento
Volto sempre a este lamento

De quem não aceita
Que existe o perdão
De quem não escuta
A alegre canção

Estou assim sozinho
Só eu e a minha dor
Desacreditado
Do poder do amor

Vou fazer-te uma prece
Mesmo de quem não merece

Transforma em príncipe
Este tão feio sapo
Inventa um bordado
Adorna este farrapo

Cuida só de mim
Cura esta ferida
Para que eu possa
Amar-te sem medida