A minha preguiça
Não me deixa escrever
Emperra e enguiça
Não sei que fazer

Tenho o que dizer
Mas só aos bocados
No que toca a mexer
Estamos mal parados

Tudo irá bem
Se o falar for ação
No lugar que convém
Uma boca por mão

O que custa é começar
Esse é o primeiro passo
Depois não vais parar
Foi-se embora o erro crasso.

Erro do medo de errar
Toda a vida é um só erro
Deixas que da alma flua
Agora é livre o que era perro.

É no medo de errar
Que está o maior erro
Não tenhas medo de tentar
Senão ficas mesmo perro