Eu sou o que sou.
Olha para mim.
Dispo-te a alma com o olhar
A viagem nos teus olhos não tem fim
Dentro de ti eu vou
Meter-me á proa e navegar
Navegar dentro de ti
Dentro do teu infinito
É o amor quem impera e torna o mundo bonito
Bonito é o mundo
Beleza és mulher
E eu sou o peito
Que abre e te quer.

Vinte e sete de Setembro de dois mil e doze