Do medo passo à luta
Estranho ser que eu sou
É inerte a minha labuta
E é tanto mais repouso dou

Caminho duro este
o de ser livre
Quantos choques
Neste meu savoir-vivre

A tampa tirada
A água pelo ralo
Raro talo
Esse que me entala